top of page

Setor florestal e sustentabilidade: o único caminho possível para Regiane Borsato

Engenheira florestal foca em sustentabilidade na sua carreira e acredita que mulheres se consolidam como protagonistas na área: “mais sensibilidade para questões ambientais e humanas”



Se existem pessoas no mundo trabalhando para tirar do papel os valores do ESG (ambiental, social e governança, na sigla em inglês), uma delas aqui no Brasil é a engenheira florestal Regiane Borsato. Ela é Diretora Executiva do LIFE Institute, uma organização sem fins lucrativos cujo desafio é integrar a biodiversidade e a conservação da natureza de forma transversal aos modelos de negócio. A iniciativa foi fundada em 2009 por lideranças empresariais comprometidas com a conservação, com a missão de divulgar a biodiversidade como modelo de negócios através de soluções e métricas práticas e robustas.

A carreira de Regiane, com a missão de desenvolver mercados sustentáveis, pode ser confundida com os primeiros passos da área de sustentabilidade no país e no mundo. Nascida em Ponta Grossa (PR) e com 48 anos, Regiane já iniciou a carreira atuando na empresa Klabin em projetos sociais e ambientais vinculados à certificação florestal FSC.


Carreira, certificação e empreendedorismo

Na época, em 1998, a ideia de certificar empresas que seguem os padrões de qualidade do manejo ambiental social e econômico era algo novo e ainda despontava globalmente. O FSC só tinha completado quatro anos de sua primeira certificação no mundo quando Regiane entrou na Klabin como engenheira assistente. “A Klabin foi a primeira empresa do setor de papel e celulose do Hemisfério Sul, e a segunda empresa do Brasil a ser reconhecida internacionalmente pelo compromisso com o manejo responsável. Tive o privilégio de aprender muito neste período por meio do contato com gestores muito motivados pelo tema”, comentou.

Regiane também atuou de forma empreendedora fundando, já no início da carreira, uma empresa de consultoria por onde atuou por mais de 10 anos com consultoria para certificações, análises socioambientais, treinamentos em sustentabilidade e gestão de projetos integrando sociedade e natureza. “Aprendi em casa que devemos contribuir com algo maior, com a sociedade. Que devemos ser úteis, no sentido de colocar aquilo que sabemos e que aprendemos a serviço do desenvolvimento humano”, disse a engenheira florestal.


Ambiental, Social, Governança… e Gênero

Regiane enfrentou dois grandes desafios ao longo da sua carreira: a primeira foi lidar com a resistência de empresas que ainda se sentiam - e se sentem - reticentes em implementar um novo modelo produtivo baseado na sustentabilidade social e ambiental. Já o segundo desafio, na época, era “ser levada a sério”, pois ela era uma jovem mulher que precisava convencer altos executivos a fazerem parte desse novo caminho nos negócios.

A paranaense acredita, contudo, que cada vez há mais espaço para as mulheres na engenharia florestal e que elas estão se consolidando como importantes protagonistas da mudança ambiental no mundo. “As mulheres possuem naturalmente uma sensibilidade para as questões ambientais e humanas, o que coloca um 'valor' intrínseco àquilo que fazem”, disse.

Ela aconselha as mulheres que fazem parte deste setor a participar de redes entre mulheres - como a Rede Mulher Florestal, da qual ela é associada, e da Rede Mulheres pela Biodiversidade para receber apoio e trocar experiências. “Procure estar com quem sente os mesmos desafios e pode te auxiliar na mudança. Não permitam que as dificuldades isolem, pois, independente de gênero, sempre podemos contar com muitas pessoas importantes nas nossas vidas pessoal e profissional que nos estimulam a seguir em frente”, concluiu Regiane.


Ela por ela

Conselho para dar a quem está em início de carreira: Dediquem-se sempre em aprender. Contudo, entendam que o conhecimento técnico é apenas uma parte do processo. Lembrem-se de que sempre estão em apenas uma das etapas da jornada. Devemos ter humildade e aproveitar as oportunidades de aprendizado com quem veio antes.

E um conselho para mulheres engenheiras: Mantenham o foco naquilo que inspira. Todas temos habilidades natas que quando regadas dão muitos frutos. As dificuldades são parte da vida madura. Somos parte da mudança que queremos no mundo. Quando entendemos isto, não temos como parar. Não desistam. Descansem, e recomecem sempre.

Quem te inspirou? A história de vida da minha família. Pais, avós, .... sempre com um olhar para a importância do esforço, da disciplina, do desejo de mudança, sem deixar a leveza de aproveitar a alegria de viver o presente. O entendimento da importância de ter sonhos, desejos, e de cultivar o otimismo e a perseverança.



 

Esse é o quarto texto do especial Mulheres que Inspiram, campanha da Rede Mulher Florestal para contar histórias de mulheres na área do setor florestal. Para ler mais histórias como essa, acompanhe nossas redes sociais (@redemulherflorestal no Instagram, Facebook e Linkedin) ou a nossa aba de notícias aqui no site.


44 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page