top of page

Quase 60% das mães no setor florestal optariam por mudar modelo de trabalho, indica pesquisa da RMF

Atualizado: 4 de jul. de 2023


Foto de Ketut Subiyant

Um dos grandes desafios de muitas mulheres ao retornar à licença maternidade é conciliar as atividades de mãe e de profissional. E no setor florestal, isso não é diferente. Pelo menos 59,6% das 114 mulheres entrevistadas para a pesquisa Mães Floresteiras no Mercado de Trabalho, do Grupo de Trabalho (GT) Maternidade e a Mulher no Mercado de Trabalho da Rede Mulher Florestal (RMF), afirmaram que mudariam suas jornadas de trabalho com redução de salário após lidar com esses desafios.


A principal dificuldade enfrentada por essas mulheres é saber como gerir o tempo e incluir na rotina as responsabilidade do bebê (21,7% das mulheres entrevistadas responderam como o principal ponto), seguido por questões psicossociais (insegurança, medo e culpa assombram ao menos 15,7%) e dificuldades em conciliar a maternidade considerando as viagens de trabalho de campo (13,9%).


Apesar dos grandes desafios, a grande maioria das mulheres (74,6%) conseguiu se manter em seus empregos pelos menos 12 meses após o regresso de licença maternidade.



O mito do “retorno zerado”


Durante uma live no último dia 30 para apresentar os resultados da pesquisa, a diretora da RMF Bárbara Bomfim se mostrou chocada diante dos relatos recebidos pelo GT Maternidade e a Mulher no Mercado de Trabalho. “Um grande problema do retorno da licença maternidade é quando fica uma ideia de que a mulher está voltando ‘zerada’, como se nada tivesse acontecendo. E todos os relatos [da pesquisa] mostram o buraco que temos que cobrir em termos de educação e poder causar essa empatia”, comentou Bárbara em evento.


Claudia Moster, do GT Educação e também uma das participantes da live, comentou que a cobrança de lidar com tudo é tanto externa como interna, causando uma auto-exigência incomensurável para equilibrar todos os setores da vida. “É algo que vem acontecendo há muito tempo. Se estamos deixando para sermos mães apenas depois dos 35 anos, é porque a gente já está crescendo carregando um monte de coisa na nossa cabeça”, disse Moster.



Confira todos os dados da pesquisa Mães Floresteiras no Mercado de Trabalho.


76 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page